Como achar o seu propósito de vida

Um dos grandes desafios da vida moderna tem sido descobrir o que estamos fazendo “aqui”, sendo que este “aqui” nada mais é do que a consciência que se tem da própria vida no tempo real em que a própria vida acontece.

Antigamente, esse questionamento era menos comum e muito menos intenso. Afinal de contas, se você não fosse afortunado, provavelmente iria trabalhar a sua vida inteira para simplesmente sobreviver e nada além disso. Hoje as coisas são um pouco diferentes. Temos tempo e uma série protocolos, informações e leis que nos garantem o mínimo de tempo e conhecimento para nos questionarmos qual é o sentido da nossa existência individual.

A esse “sentido” chamo de Propósito de Vida ou o que “caralho eu tô fazendo aqui”?

ANTES DE TUDO, NADA.

Eu já me questionei muito a razão de ter um propósito de vida.

Será que é possível? E o para que ter um?

Se você segue uma linha de pensamento e filosofia de vida niilista, que resumidamente, segundo a Wikipédia diz que:

“Niilismo (do latim nihil  “nada”) é um termo filosófico que atinge as mais variadas esferas do mundo contemporâneo (literatura, arte, ciências humanas, teorias sociais, ética e moral) cuja principal característica é uma visão cética radical em relação às interpretações da realidade, que aniquila valores e convicções. É a desvalorização e a morte do sentido, a ausência de finalidade e de resposta ao “porquê”. Os valores tradicionais depreciam-se e os “princípios e critérios absolutos dissolvem-se”.

É necessário se perguntar se realmente faz sentido correr atrás de algo que não existe e que no bem da verdade é apenas mais uma filosofia e modo de encarar a vida.

Sobre isso, o astrofísico Neil deGrasse Tyson, tem algo muito importante a dizer. Legendas do diálogo abaixo.

“Neil deGrasse Tyson: Nos temos medo da morte porque nascemos sabendo apenas da vida.

Eu entendo isso. Entretanto, eu tenho outra opinião, pois já me perguntaram:

Se você pudesse viver para sempre, você viveria?

Larry King: Sim.

Neil deGrasse Tyson: [Risos] Certo, terminamos a entrevista!

Sim, claro, essa é uma ideia atraente. Mas, a maneira como vejo isso é…

É o conhecimento de que vou morrer é que cria o foco que eu trago estando vivo.

A urgência de realização, a necessidade de expressar amor, agora!

E não depois.

Se você vive para sempre, porque sequer sair da cama pela manhã, porque você sempre terá o amanhã?

Esse não é o tipo de vida que eu quero levar.

Larry King: Mas, você não tem medo de não estar por aqui?

Neil deGrasse Tyson: Eu tenho medo de viver uma vida onde eu poderia ter realizado algo e não realizei. É disso que eu tenho medo.

Não tenho medo da morte.

Larry King: Você não tem medo do desconhecido?

Neil deGrasse Tyson: Eu adoro do desconhecido. Você sabe o que quero no meu túmulo?

Minha irmã tem isso anotado caso não consiga a ninguém após eu morrer. Em meu túmulo, uma citação de Horace Mann, um grande educador:

“Tenha vergonha de morrer até você ter conquistado alguma vitória para a humanidade.”

Esse diálogo é muito rico.

Temos medo da morte porque só conhecemos a vida! Daí a nossa urgência em querer mais, querer viver tudo aqui e agora! Nós sabemos o que é a vida, mas não sabemos o que é a não vida. Não sabemos o que há do lado de lá, se é que há “lá”…

Pois bem, utilizando as palavras do próprio Neil, citando Horace Mann, acredito que a grande razão de acreditar em propósito de vida é única e exclusivamente em dar um sentido real e consciente a nossa existência. Me parece óbvio, já que não sabemos o que acontece quando morremos, que devemos nos concentrar no que temos de real E ao nosso alcance.

PROPÓSITO DE VIDA – QUE CARALHAS É ISSO?

O propósito de vida não é o seu trabalho, suas responsabilidades diárias ou mesmo os seus objetivos e metas à longo prazo. Tudo isso é parte do seu propósito de vida, mas não é ele no todo.

Ao meu ver, o nosso propósito de vida é um misto entre hedonismo e altruísmo, onde temos prazer de sermos e de fazermos o que bem quisermos e não sentir culpa nenhuma por isso na mesma medida em que devemos nos preocupar com o outro, na construção de algo melhor para os que virão após nós.

A intersecção entre estes dois conceitos é o que eu chamo de propósito. Já falei bastante disso aqui onde o propósito faz parte de um contexto maior.

A grande maioria de nós morre e não consegue descobri-lo por inteiro ou mesmo nem uma parte sequer, algumas pessoas afortunadas e conscientes conseguem descobrir aquilo que os motiva intrinsecamente logo cedo na vida, já outras pessoas demoram anos para descobrir e outras tantas se dividem entre aqueles que se desesperam na busca pelo seu propósito e não o encontram e aquelas que ficam presas eternamente apenas na rotina de uma vida hedonista.

É importante dizer que, em algum momento da vida, é importante ir atrás seriamente do seu propósito de vida, mas essa busca deve ser consciente e sincera. A busca pela busca pode ser apenas mais um engodo da nossa autossabotagem, mais uma distração que nos leva para longe do que realmente importa.

Estou convencido de que quanto mais descobrirmos o nosso propósito por inteiro mais perto estamos da felicidade e da plenitude.

Digo “inteiro”, pois acredito que o nosso propósito de vida seja a soma de vários conceitos que ao se intercalarem formam aquilo que gostamos de fazer e aquilo que podemos fazer aos outros.

FORMANDO O QUEBRA-CABEÇAS DO PROPÓSITO DE VIDA

Muito bem. A tarefa é difícil é não será este texto  a resposta definitiva para a pergunta, mas ele poderá ser um ponto de partida ou não e fodasse.

Antes de mais nada e tão importante quando tudo, é a ciência de que o propósito de vida pode ser algo que será construído ao longo da vida e não algo que se começa e se segue durante a vida. Essa informação poderá guiar a sua busca quando aos seus olhos tudo der nada. O propósito de vida é algo individual e intrasferível e para cada um de nós parecerá e de desenhará de um jeito.

O diagrama do Propósito de Vida.

O diagrama do Propósito de Vida.

O diagrama ao lado foi roubartilhado do site 9gag.com e representa muito bem o que eu defendo como propósito de vida. Nele podemos ver as várias intersecções entre as várias áreas da nossa vida.

Vou falar de cada um dos 4 pilares que formam o nosso propósito.

PAIXÃO

Participação é a medida de profundidade de envolvimento entre a pessoa e a sua vida. Uma pessoa que participa da sua vida, esta totalmente focada naquilo que faz. Muitas vezes o envolvimento é tão grande que a pessoa parece transcender a realidade, esquecendo o tempo e tendo um constante estado de satisfação e bem estar.

A isso, eu chamo de prazer e paixão: ter o tesão de fazer algo apenas por fazer a atividade em si.

A essa sensação, o pesquisador Mihaly Csikszentmihalyi, da Universidade de Chicago, dá o nome de “fluxo” (“Flow” em inglês). Entramos em fluxo quando achamos atividades que requeiram o uso de nossos talentos e habilidades de modo desafiador. Se o nível de desafio for alto, ele pode se tornar desmotivador, uma vez que o objetivo possa parecer inalcançável. Por outro lado, o nível de desafio não pode ser baixo demais, justamente por não representar nenhum nível de dificuldade que atice as habilidades e talentos inerentes do individuo. Para que haja o flow, o nível de desafio deve ser alcançável e ao mesmo tempo estimulante.

Segundo ele, sabemos quando estamos em fluxo, quando ao realizar qualquer atividade, sentimos as seguintes sensações:

– Ausência de esforço e sentimento espontâneo ao realizar a tarefa.

– Sensação e êxtase: O prazer e foco são tão grandes ao realizar a ação, que o individuo se sente fora da realidade cotidiana que o cerca.

– Foco: Estar completamente envolvido com o que você esta fazendo.

– Sentido de clareza: Saber o que precisa ser feito, quando e como.

– Saber quais das suas habilidades são adequadas para realizar a tarefa.

– Senso de serenidade: Não se preocupar com sigo mesmo, ter um sentimento de crescimento além dos limites do ego.

– Atemporalidade: a pessoa esta tão focada no presente, que as horas parecem passar por minutos.

– Motivação intrínseca: o que produz o fluxo, se torna a própria recompensa.

Do ponto de vista profissional, ter prazer por algo pode significar ter um enorme sucesso, em termos de acumulo de dinheiro e reconhecimento, uma vez que a atividade realizada tende a ter uma qualidade acima da média e continuamente apresenta um alto grau de inovação em detrimento das muitas horas dedicadas a ela.

Ou o contrário.

A paixão pela atividade pode fazer com que se trabalhe praticamente de graça, apenas pelo prazer em exercer a atividade. Um bom exemplo disso é Steve Wozniak.

Quais atividades você realiza com prazer?

E como elas podem se relacionar de maneira sustentável com os outros quatro pilares de um emprego tesudo?

MISSÃO

De longe o mais difícil é controverso dos quatro pilares. A missão se parece muito com o propósito de vida em si, sendo que o que difere um do outro é que o propósito é resultado da combinação da missão com os outros pilares e que o propósito de vida quase sempre é imutável, se ele mudar com frequência você não está trabalhando o seu propósito, mas sim a sua missão de vida.

A sua missão de vida diz respeito ao que você deseja realizar no mundo usando os seus talentos, características próprias e comportamentos.

Para as coisas começarem a ficar mais claras, sem ressentimentos ou medo, pense e responda nas respostas abaixo:

– Se eu morresse hoje, como eu me sentiria? Estaria pronto para ir? Eu deixaria assuntos  pendentes? Quais seriam?

– Quais emoções negativas eu sentiria? Por quê?

– O que eu poderia fazer para sofrer menos com situações que enfrento na vida.

– Eu estou no meu lugar no mundo?

– Qual é o tamanho e qual é a qualidade do legado que eu já construí nesta vida? Quantas coisas eu já fiz pelo mundo das quais eu posso me orgulhar?

– Eu gosto do que me tornei?

– O que eu pretendo começar a fazer neste instante para melhorar a minha vida e o mundo?

As respostas a essas perguntas já são um bom e interessante ponto de partida para refletir sobre qual é a sua missão de vida. Sugiro que anote as respostas num papel, pense e repense sobre cada uma delas e qual é a veracidade e utilidade de cada uma delas. Existe uma grande chance de você se enganar nas respostas e é por isso que refletir várias vezes sobre elas pode ajudar.

A segunda parte das perguntas eu vou copiar do curso básico de coaching, onde temos, de maneira muito direta e crua, um powerscript simples de como montar sua missão. Tomo a liberdade de usar e copiar aqui essa ferramenta pois eu me sinto no direito e usá-la, afinal de contas, eu paguei a porra do curso e fodasse.

Passo 1: Identifique as cinco principais características ou talentos.

Quais são seus maiores talentos?

Quando você pensa em si quais são as suas principais características?

Passo 2: Descreva os comportamentos que caracterizam os seus talentos ou característica.

Quais comportamentos evidenciam a característica/talento?

Quais são as suas ações que comprovam esta característica/talento?

Passo 3: Identifique os cinco principais objetivos pessoais/profissionais a serem atingidos no período de até 1 (um) ano à partir de hoje.

Quais são os seus principais objetivos pessoais a serem atingidos daqui a um ano?

Passo 4: Identifique o objetivo financeiro a ser atingido no período de um ano à partir de hoje.

Qual é o seu objetivo financeiro para daqui a um ano?

Passo 5: Selecione as três principais características/talentos e os comportamentos que as evidenciam.

Quais são seus três principais talentos/características?

Passo 6: Elabore o lema da sua missão.

Exemplo: Minha missão é: SER……………………..(talentos/características), POR MEIO DE………………………. (comportamentos), PARA CONQUISTAR…………………..(objetivos gerais/financeiros).

Esse simples exercício é simples (!?!?!) mas não é fácil. Ele exige uma certa disciplina e vontade de termina-lo. Ao fim, você certamente verá que o que era tão claro para você já não está tão claro assim.

Lembre-se, a sua missão é um dos vários inicios para se achar o seu propósito de vida e o seu propósito de vida retroalimentará a sua missão e demais objetivos.

PROFISSÃO

Esse é simples.

O que você escolheu para fazer para ser remunerado em troca?

O que você gera que as pessoas te pagam?

Dependendo de como for a sua relação com os quatro outro pilares você terá que mudar de profissão. Ela poderá ser o elo final da corrente que mantem você afastada de quem você nasceu para ser.

Ou, ela poderá ser o elo forte da corrente que te aproxima para perto do que você deseja.

VOCAÇÃO

De lá internet:

Vocação é um termo derivado do verbo no latim “vocare” que significa “chamar”. É uma inclinação, uma tendência ou habilidade que leva o indivíduo a exercer uma determinada carreira ou profissão.

Vocação é uma competência que estimula as pessoas para a prática de atividades  que estão associadas aos seus desejos de seguir determinado caminho.

Por extensão, vocação é um talento, uma aptidão natural, um pendor, uma capacidade específica para executar algo que vai lhe dar prazer.

Traduzindo, vocação é algo que você é foda em fazer. Aquilo que você nasceu sabendo fazer e que você faz bem. Pode ser escrever, falar, fazer alguma atividade física, talento musical ou artístico.

TODO mundo tem pelos menos UM PUTO DE UM TALENTO não me venha dizer que você não tem nenhum sua ameba!

CONCLUSÃO

Certa vez, pediram a Bruce Lee para ensinar tudo o que ele sabia sobre artes marciais, afinal, Bruce Lee era a caralha do MESTRE DE ARTES MARCIAIS MAIS FUDIDO DO MUNDO à época. Bruce levantou dois copos, ambos cheios de água e disse:

“- O primeiro copo”, disse Bruce, representa todo o SEU conhecimento sobre artes marciais. O segundo copo, representa todo o MEU conhecimento sobre artes marciais. Se você quiser encher seu copo com o meu conhecimento, você deve primeiro esvaziar o seu copo do seu conhecimento “.

Esse simples conto ilustra que devemos sempre nos questionar para onde estamos indo e se o conhecimento que achamos que temos existe e se ele existe, se é nosso. Você pode escolher levar uma vida niilista e hedonista se for ou uma vida altruísta, ou procurar o proposito da sua vida. O mais importante é decidir com consciência e independência.

Sobre a busca pelo propósito de vida, a estrada é pode ser longa demais ou surpreendentemente curta. Seguindo o alinhamento dos quatro pilares apresentados neste texto a estrada pode ter o tamanho que for, a viagem será ótima.

Formado e pós graduado em marketing, trabalhou na área até cansar de viver uma vida de bosta sem sentido algum e decidir largar tudo pelo seu sonho de ajudar as outras pessoas a terem uma vida tesuda através do autoconhecimento e ação. Além disso, gosta de negócios, esportes, cerveja, charutos e todo o tipo de coisa nerd. É co-fundador do Geração de Emprego e é headhunter profissional e por vocação.

Deixe uma resposta