Todo dia é dia de ano novo

Final de ano é sempre a mesma coisa.

Jargões e frases prontas para todos os lados: que o ano novo traga isso, que ele traga aquilo, o ano que passou foi isso e foi aquilo.

Eu sinceramente acho engraçado essa terceirização dos resultados para os “anos”, quando na verdade o ano é um punhado de ações nossas.

O resultado que temos durante um ano é único e exclusivamente resultado daquilo que fazemos. Simples assim.

Mas, aproveitando o embalo simbólico desta época, eu pergunto, como foi o seu ano de 2016?

E depois eu te pergunto, quais metas alinhadas no final de 2015 você atingiu no final de 2016?

Quais aprendizados teve?

E quais são os objetivos para 2017?

Eu, particularmente, tive um ano interessante, muito bom. Apesar de toda a crise financeira em que o Brasil se encontra, eu tive um ano bem positivo financeiramente. Não fiquei rico ou coisa parecida, mas consegui levar uma vida boa, com alguns privilégios. Uni ainda mais a minha família e meus projetos profissionais tiveram grandes avanços. A âmbito da saúde foi algo em que eu só consegui focar na metade final do ano, conseguindo imprimir um ritmo sustentável e rotineiro que me permitiu aliar boa forma com uma agenda complicada de trabalho e projetos.

Infelizmente, alguns projetos pessoais não tiveram o resultado planejado e isso me deixou frustrado até o meio do ano de 2016. Porém, eu me ajustei os termos e decidiu que só iria me dedicar a eles no ano que vem e o “peso” do fracasso saiu das minhas costas.

Tive poucos mas bons aprendizados em 2016. Aprendi que ter disciplina é realmente importante quando se trabalha e lida com processos e reaprendi que as coisas realmente não saem da maneira como queremos e é por isso que devemos estar preparados sempre.

Por isso a disciplina é importante.

Tive provas e mais provas de que não se chega a lugar nenhum sozinho. Quer dizer até se chega, mas estar com pessoas é muito mais legal.

Aprendi também, a duras penas, que realmente nada tem uma ponta solta na vida. Que tudo o que se faz tem uma consequência, não importando o quanto tempo se passe.

Em 2017, focarei as minhas metas nos meus projetos profissionais e pessoais e me voltarei para a minha saúde física. Afinal, sem o meu corpo funcionando bem, eu vou morar aonde?

Sugiro que façam algo mais detalhado para vocês. Apesar de eu ter colocado informações verdadeiras sobre mim, eu não aprofundei de propósito, pois são fatos que só dizem respeito a mim.

Porém, uma coisa é necessária dizer: todo dia é dia de ano novo.

Podemos mudar sempre, a cada dia, hora e minuto. Lembro que mudar de atitude não quer dizer, necessariamente,  ter resultados imediatos, mas sim, criar a possibilidade de que resultados novos apareçam.

Formado e pós graduado em marketing, trabalhou na área até cansar de viver uma vida de bosta sem sentido algum e decidir largar tudo pelo seu sonho de ajudar as outras pessoas a terem uma vida tesuda através do autoconhecimento e ação. Além disso, gosta de negócios, esportes, cerveja, charutos e todo o tipo de coisa nerd. É co-fundador do Geração de Emprego e é headhunter profissional e por vocação.

Deixe uma resposta